[ editar artigo]

Educação Inclusiva: reflexão a partir do filme "Vermelho como o céu"

Educação Inclusiva: reflexão a partir do filme

Neste texto, vou abordar novamente o tema da Educação Inclusiva, sobre o qual já escrevi outro texto aqui no blog-comunidade. Este assunto deveria ser discutido com maior frequência e em mais espaços de diálogo. Creio que só teremos uma inclusão efetiva de pessoas com deficiência na sociedade, se debatermos amplamente o tema sob diversos aspectos, especialmente o da Educação.

Farei uma reflexão da educação inclusiva a partir do filme “Vermelho como o céu”, produzido na Itália em 2006. A produção é inspirada na história real da infância de Mirco Mencacci, um renomado editor de som italiano, após a perda da visão e o início dos estudos em uma escola especial para cegos.

Para complementar a análise, busquei textos de Lev Vigotski e Maria Cecilia de Góes, sobre a educação de crianças com deficiência.

 

Resumo do filme (com spoilers)

A história se passa nos anos 1970, quando Mirco perde a visão após um acidente com a arma do pai e é obrigado a deixar sua escola para iniciar os estudos em um internato específico para crianças com deficiência visual. Além dos novos colegas (cegos), o menino faz amizade com a filha de uma funcionária da escola, que não é cega.

Mirco não demonstra interesse nos estudos, que consistiam basicamente em aprender a escrever em braille e a realizar tarefas manuais na tecelagem. Após fazer uma atividade utilizando um gravador de áudio encontrado na escola, é repreendido pelo diretor, que é cego e acredita na limitação dos alunos. Porém, seu professor Giulio incentiva o garoto a desenvolver suas habilidades.

Então, Mirco inicia uma produção de uma história em áudio, utilizando narração e diversos efeitos sonoros, primeiro com a companhia de Francesca e, depois, muitos dos seus colegas começam a participar. Os alunos são pegos pelo diretor e Mirco é expulso do colégio, resultando em uma manifestação da população da cidade e do professor Giulio.

No final, a história criada pelos alunos é apresentada ao vivo aos pais, que usaram vendas nos olhos, buscando aproximar os adultos das crianças cegas e valorizando a sua criatividade e a sua capacidade produtiva. 

Veja o trailler:

 

O desenvolvimento é limitado pelos meios culturais não inclusivos

O filme apresenta a discussão sobre educação inclusiva ao mostrar exatamente o contrário, uma situação onde as crianças com alguma deficiência são excluídas por lei das escolas, precisando completar os estudos em escolas específicas. Os conhecimentos ensinados no internato são de caráter ferramental e possuem certo valor aos meninos, como a escrita em Braille, que seria uma alternativa para se comunicar, em relação à escrita mais presente na sociedade.

O diretor da escola, apesar de cego, acredita que os meninos são bastante limitados devido às suas deficiências. No filme, este personagem traz um tom pessimista e com certo ressentimento pela perda da visão, porém é uma representação da visão da capacidade das crianças ser limitada, comum entre professores, pais e outros indivíduos sem dar a oportunidade para o seu desenvolvimento.

Sabemos que o desenvolvimento das crianças com deficiência não possui nenhuma dificuldade por limitação cognitiva ou de capacidade intelectual.

“A criança é desde sempre um ser social, sendo que sua singularização como pessoa ocorre juntamente com sua aprendizagem como membro da cultura, ou seja, o desenvolvimento implica o enraizamento na cultura e a individualização. No campo da defectologia, Vigotski argumenta que essas leis gerais do desenvolvimento são iguais para todas as crianças. Ele ressalta, entretanto, que há peculiaridades na organização sociopsicológica da criança com deficiência e que seu desenvolvimento requer caminhos alternativos e recursos especiais” (GOES, 2002).

Ao sugerir caminhos alternativos, a autora indica que os caminhos “normais” não são adequados às crianças com deficiência, visto que se baseiam em formas de transmissão de conteúdo definidas como padrão pela sociedade, como a fala e a escrita.

“(...) uma disparidade entre as linhas natural e cultural do desenvolvimento da criança. Por si só, entregue a seu desenvolvimento natural, a criança surda-muda nunca aprenderá a falar, a cega nunca dominará a escrita. Aqui a educação surge em auxílio, criando técnicas artificiais, culturais, um sistema especial de signos ou símbolos culturais adaptados às peculiaridades da organização psicofisiológica da criança anormal.” (VIGOTSKI, 2011).


 

A inclusão de crianças com deficiência visual

Pode-se dizer que a linguagem em Braille é uma forma diferente de escrita, que utiliza o tato ao invés da visão como a forma de reconhecimento dos signos, por isso a insistência do professor Giulio em convencer Mirco a estudar com mais dedicação esta linguagem.

“(...) no caso dos cegos, a escrita visual é substituída pela tátil – o sistema Braille permite compor todo o alfabeto por meio de diferentes combinações de pontos em relevo, permite ler tocando esses pontos na página, e escrever perfurando o papel e marcando nele pontos em relevo” (VIGOTSKI, 2011).

Do mesmo modo, o gravador pode ser considerado uma ferramenta que permite a documentação de informações em forma de áudio, ampliando a capacidade de produção criativa do menino. O professor demonstra ter compreendido isso ao devolver o gravador a Mirco após o diretor da escola ter proibido o seu uso.

No filme, Mirco mostra-se capaz de realizar ações que muitas pessoas, especialmente o diretor, não esperariam que uma pessoa com deficiência visual fosse capaz, como andar de bicicleta, compreender um filme no cinema, realizar edição de áudio nas fitas de gravação e gravar uma história completa utilizando efeitos sonoros “manuais”. Indicando que as limitações não podem ser colocadas por outras pessoas.

Existem duas cenas nas quais personagens que enxergam são colocados em situações em que a visão é prejudicada e, ao se encontrarem em uma situação “anormal”, acabam se surpreendendo com a capacidade dos cegos. A primeira acontece quando Mirco guia Francesca por um cômodo escuro e a segunda é na cena final, em que os pais estão com os olhos vendados para assistir à apresentação dos alunos.

 

Desafios para a inclusão efetiva das pessoas com deficiência

Apesar do entendimento da necessidade da inclusão de crianças com deficiência na escola, é importante ressaltar alguns desafios, como, a formação dos professores, preparando-os para lidar com as diversas situações de inclusão. Existe também a dificuldade financeira das escolas para contratar funcionários de apoio pedagógico e para fornecer a infraestrutura necessária.

O acesso ao aprendizado é apenas uma das barreiras para a real inclusão social. Além disso, há a dificuldade de inserção destes indivíduos no mercado de trabalho. Hoje esta inclusão é incentivada por lei, que exige das empresas que uma porcentagem do quadro de funcionários seja composto por pessoas com deficiência.

A sociedade ainda possui uma visão preconceituosa e excludente em relação às pessoas com deficiência, considerando-as inferiores e dificultando as relações interpessoais. Pensando no longo prazo, esta construção social tende a diminuir na medida que mais pessoas com deficiência ocuparem vagas em escolas e postos de trabalho.

Desde a década de 1970, época em que se passa a história do filme, até hoje, o entendimento das deficiências física, motora, auditiva, visual e intelectual avançou por um caminho que enxerga  inclusão como necessidade para o desenvolvimento destas pessoas.

Ainda há muitos desafios a serem superados, porém há menos espaço para diretores como o do filme e maior possibilidade de que outras crianças consigam superar os limites impostos pela sociedade e atingirem a excelência em sua área de atuação, assim como Mirco o fez na área de edição de som.

 

Indicações para aprofundar no tema:

  1. Filme: Vermelho como o Céu. Produção de Bortone e Mazzoca. Itália, 2006.

  2. Artigo de VIGOTSKI, Lev S. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal.

  3. Artigo de Maria Cecilia Góes. Relações entre desenvolvimento humano, deficiência e educação: contribuições da abordagem histórico-cultural. No livro Psicologia, Educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Editora Moderna, 2002

  4. Conhecer as iniciativas e projetos da Fundação Dorina Nowill, voltada para a inclusão de pessoas cegas

 

Foto de capa por Jeremy Yap emUnsplash

 


Gostou do texto? Seja membro

Faça o login (no canto superior direito) para ter acesso a materiais exclusivos, receber avisos de novos conteúdos relevantes para você e escrever artigos autorais que serão lidos por todo o público do Camadas Educacionais.

A comunidade é mantida pela Layers Education, referência em soluções de tecnologia para as escolas. Visite o site e conheça!

 

Camadas Educacionais
Henrique Uyeda do Amaral
Henrique Uyeda do Amaral Seguir

Henrique Uyeda do Amaral é escritor e educomunicador. Responsável pela gestão e produção de conteúdo no blog-comunidade. Especialista em educação e tecnologia, já atuou como educador, formador de professores, autor de material didático e mais.

Ler conteúdo completo
Indicados para você